Carlos Arouca



Nome completo: Carlos André Santos Arouca

Nome artístico: Carlos Arouca

Signo: Virgem

Religião: Agnóstico

Time de futebol: Bahia (doente)

Livro de cabeceira: O pequeno príncipe (Antoine de Saint-Exupéry)

Trajetória literária: Um livro lançado: osso da palavra/palavra de osso (organismo editora).

Você escreve para conquistar o mundo ou para agradar os consagrados?
Escrevo para que o mundo seja conquistado.

Escrever é “questão de vida ou morte”?
Sim! Sem escrever minha morte seria mais interessante do que meus dias ao solar.

A literatura veio de berço ou de um amor não correspondido?
De uma vida não correspondida.

Qual a utilidade da literatura em sua vida?
Antes era só proteção, depois do livro lançado virou projeção.

Há um ritual para você escrever? Qual?
Sou cavalo da poesia, logo o ato de escrever já é em si um ritual.

Tudo é válido em literatura?
Tudo tem seu preço. Acho que não, é valido aquilo que lhe toca, lhe incomoda, lhe causa estranhamento, lhe tira do lugar comum... E isso nem sempre se compra barato.

A crítica tem valor mesmo se o alvo da crítica é a sua obra?
Sim. A crítica tem seu papel, porque poesia é interação, não se interage na bolha.

Autor ou autora que você ainda não alcançou: São tantos que não consigo alcançar um pra ocasião.
  
Entre escrever a obra-prima que te dê uma vida gloriosa e uma morte tranquila, o que você prefere? 
Já pensei em uma morte tranquila. Hoje penso em vida gloriosa, o fato é que se esse reconhecimento da minha escrita chegar, será não só pelo glamoroso e bajulador de quem pode com indicação, será usufruto mesmo. Então a morte tranquila já me é certa, falta o acaso da vida gloriosa.




Saindo do armário
Contanto que o amor
Não acabe, sigamos para ambos os lados
Contanto que tua partida 
Não parta o parto, o pacto
Te vejo por outro lado
Do amor gerado, concebido
Nenhuma geração há de duvidar maior
A vida segue seu rumo
em suma: nosso melhor
Quanto de mim são lágrimas?
Sabe que os esforços não foram em vão
Sabe? O intervalo válido duma paixão
Requer uma entrega,
Requer as vezes que se seja brega
Requer não pensar solução
Das incertezas todas elas
São reflexos de espelho quebrado
Uma luz com várias penumbras
E eu sendo anteparo
Onde paro?
No meio da sala
Esperando você sair do armário.

Comentários

  1. Esse é meu querido compadre cunhado e um grande amigo tenho muito orgulho em conhecê-lo e compartilhar de seus ideais que Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  2. PARABÉNSSSSSSSSS!!!!! Siga a magia de suas palavras... E elas te levarão a um mundo imensamente espetacular 😘 de sua irmã, Glória Arouca

    ResponderExcluir
  3. Panka!!

    Orgulhoso do sol que insistiu em ativar sua Vitamina D3!!

    ResponderExcluir
  4. Respostas inteligentes. Parabéns! Sucesso em tua caminhada...

    ResponderExcluir
  5. Salve o poeta! Carlos Arouca...Salve!!!! POETA.. talvez esta aparente simples palavra represente a total e imensa complexidade que é descrever os por menores tanto do significado do substantivo quanto dos seus infindáveis desdobramentos, POETA resume tanto um conjunto especial de significados como também sintetiza a forma de ler e interpretar o mundo....e de forma ainda mais especial compartilhar com os outros seres...Poeta é também se torna substantivo próprio quando se mistura de forma inerente ao amigo Carlos Arouca não se sabendo onde começa um e se Termina o outro.

    ResponderExcluir
  6. Salve o poeta! Carlos Arouca...Salve!!!! POETA.. talvez esta aparente simples palavra represente a total e imensa complexidade que é descrever os por menores tanto do significado do substantivo quanto dos seus infindáveis desdobramentos, POETA resume tanto um conjunto especial de significados como também sintetiza a forma de ler e interpretar o mundo....e de forma ainda mais especial compartilhar com os outros seres...Poeta é também se torna substantivo próprio quando se mistura de forma inerente ao amigo Carlos Arouca não se sabendo onde começa um e se Termina o outro.

    ResponderExcluir
  7. Ter você como um livro na minha estante já produz um eco de "aspas" em tudo que leio de mim e do mundo. Aprender com você não é tarefa fácil, aprender com seus escritos exige de mim uma compreensão da vida fora da estratégia comum de separar, como na metáfora bíblica, o joio do trigo.

    Ser seu amigo, como sabemos, é algo em construção frequente... uma catedral gótica cheia de vitrais no estilo rococó... fico feliz de que pessoas tão bacanas e sensíveis como você estejam alterando as tintas da literatura e produzindo corpos de leitores, como o meu...

    A poesia está por nós como uma coisa dentro de outra coisa, como a boneca russa que tem diversas bonecas menores dentro de si. Aprendo sempre e me assumo leitor de tudo que você diz e escreve... Espero te ler mais e mais vezes, meu amigo-poeta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grato. Bom retorno, e é pra isso que estamos aqui...

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Luana Muniz

Jober Pascoal